Mostrando postagens com marcador projeção. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador projeção. Mostrar todas as postagens

02 setembro 2016

Recebi um mapa em DWG e não está projetado. E agora? Como descobrir o datum e projeção originais?

Estas perguntas estão entre as mais comuns e graves enfrentadas por quem ainda teima em utilizar AutoCad para fazer mapas (sim, é uma crítica). A seguir descrevemos algumas dicas que podem ajudá-lo a "salvar" seu projeto descobrindo o sistema original utilizado no desenho do mapa:

Primeiro devemos assumir que o arquivo dwg esteja sendo aberto no ArcGIS, já que dwg é arquivo de Autocad. Se for AutoCadMap tudo bem, mas se for AutoCad comum não é GIS ou SIG.

Verifique se as coordenadas mostradas fazem algum sentido, como neste caso:
Se as coordenadas não tiverem nenhuma lógica é possível que o mapa tenha sido feito sem ao menos utilizar um sistema de coordenadas de referência. Se for o caso é o fim de linha. Precisará georeferenciar o shapefile usando spatial adjustment (avançado)

Geralmente os mapas feitos em Autocad possuem escrito em caixas de texto qual o sistema de coordenadas, projeção e datum usado na confecção. Procure abrir o arquivo e procurar por estas referências, do contrário será difícil saber ao certo, a menos que conheça a pessoa que elaborou o arquivo. 
Clique para ampliar
Caso não descubra nenhuma pista, faça algumas cópias deste arquivo e tente projetar (define projection - imagem ao lado) para os sistemas mais comuns tipo SAD69, Sirgas2000 e WGS84. As chances de ser um deste são grandes para o caso do Brasil. Se a referência for UTM precisará saber qual o fuso também. Baixe o shapefile de fusos UTM e veja em qual fuso que o mapa se encontra com as informações de localização básicas que você tenha.
Rode o define projections utilizando estas opções mais comuns. Para verificar se a projeção aplicada está "correta" adicione um basemap de imagem, de preferencia o ESRI Imagery (WGS84) e verifique se as linhas e polígonos estão "batendo" com a imagem.

Se nada conseguir envie para o email gigagis@outlook.com.br que talvez possamos ajudar.

TÓPICOS RELACIONADOS

01 setembro 2016

Descobrir qual Datum e Projeção de seus dados espaciais

Como descobrir qual o datum e projeção de um arquivo shapefile, por exemplo, que recebeste por email de um colega para trabalhar ou mesmo que tenha baixado de algum site como o nosso?

Clique para ampliar
Para responder esta pergunta podemos utilizar basicamente quatro métodos diferentes:
  • 1) ArcGIS: Adicionando este arquivo como uma layer no ArcGIS, clique com o direito do mouse, vá na opção Properties. Na aba Source você terá a informação da extensão do arquivo, o que muitos chamam de coordenadas do retângulo envolvente e também o que você busca, a Projeção e o Datum do arquivo. Veja:

Clique para ampliar

  • 2) QGIS: No QGIS, adicione o layer, clique com o direito e vá em propriedades também. Vá na aba Metadados e no campo Properties. Role até aparecer a sessão "Layer Spatial Reference System". Veja:


  • 3) Arquivo: Se seus conhecimentos forem um pouco mais avançados, poderá abrir o arquivo com extensão prj de seu arquivo shapefile no notepad (bloco de notas). Basicamente só funciona com shapefiles. Lá estará descrito os parâmetros de projeção que seu software GIS usará para projetar os dados. Veja:
Clique para ampliar
  • 4) Website: O último metodo consiste em carregar o arquivo PRJ já falado acima no seguinte website: http://prj2epsg.org/search. O script neste site analisará o arquivo e lhe dirá qual o sistema de coordenada utilizado, isto nos formatos EPSG oficiais. 

Espero que isto lhe ajude a decifrar em qual projeção e datum seus dados estão atualmente.


TÓPICOS RELACIONADOS

03 dezembro 2015

Como definir ou alterar a projeção de um layer no ArcGIS?

Frequentemente arquivos shapefiles disponibilizados na internet ou exportados de softwares CAD, webgis e outros vem sem o arquivo de projeção (.prj). Quando isto acontece e recebemos o aviso do ArcGIS, precisamos rodar uma ferramenta no ArcGIS para definir a projeção deste e criar o arquivo prj associado.

Muito importante neste processo é saber a projeção e datum originais dos dados. Se os dados estão ou foram gerados em UTM não funcionará se você definir uma projeção tipo geográfica em um datum diferente por exemplo.



1) Para verificar o sistema de coordenada de um layer, clique com direito, properties e vá na aba source, no quadro Data Source verá o sistema de coordenadas escrito ou < Undefined> caso não haja arquivo prj. Arquivos extensão PRJ contém dados de projeção e datum (pode-se abrir estes arquivos com o bloco de notas)


Obs: Tente descobrir onde seus dados estão e qual o fuso UTM com ajuda deste grid UTM, clique aqui
2) Supondo que você saiba a projeção e datum originais (senão souber consulte sua fonte de dados ou use tentativa e erro), rode a ferramenta DEFINE PROJECTION que se encontra em ArcToolBox > Data Management Tools > Projections and Transformations. 
Na tela aparecem dois campos, no primeiro selecionará o layer e no segundo escolherá a projeção a ser definida. Se seus dados não se ajustarem, apague o arquivo .prj que a ferramenta gerar e tente novamente com outro datum/projeção.

PARA ALTERAR UMA PROJEÇÃO DIRETAMENTE NO ARCMAP...



  • Abra uma nova sessão do ArcMap;
  • Setar o data frame para a projeção que deseja para o shp; 
  • Só então adicione o shp a sessão, selecionando a transformação correspondente neste momento;
  • Pronto. Agora exporte o shp tomando o cuidado de selecionar pra exportar com a projeção do data frame (radiobox) - veja ao lado. 



SE O PROBLEMA FOR O FORMATO DAS COORDENADAS MOSTRADAS...

  • As coordenadas mostradas no rodapé do ArcMap não são inteiramente dependentes da sua projeção. Você pode alterar só o formato de exibição indo no menu View> Data Frame properties e alterar as unidades de display (Units Display) como mostrado ao lado --->









TÓPICOS RELACIONADOS

20 novembro 2014

Web Mercator: Padrão para compartilhamento de geodados na Web

     
fonte: britannica.com
 Muitas organizações utilizam dados geográficos (GIS) projetados em um sistema de coordenadas local e projetado (UTM). Ao se preparar para compartilhar mapas ou layers na Web, recomenda-se a reprojeção de seus dados de origem para o sistema de coordenadas Web Mercator.
       Fazendo isso você irá garantir que seus dados serão localizado corretamente e estarão devidamente alinhado com outros serviços como provedores de conteúdo populares tipo Microsoft® Bing ™ Maps, Google Maps ™, ESRI® Basemaps e outros, que padronizaram seus serviços na Web sistema de coordenadas Mercator.
A ESRI possue uma apresentação explicando muito mais detalhes de porque e como projetar seus dados para Web Mercator, confira no link:



16 junho 2014

Um pouco sobre a Projeção UTM

 A Projeção Transversa de Mercator, ou Conforme de Gauss, é o resultado da projeção da superfície da esfera em um cilindro tangente ao meridiano central. São úteis para representar áreas que são maiores no sentido Norte-Sul do que no sentido Leste-Oeste. As distorções aumentam a partir do meridiano central, tanto em escala e distância como em direção e área. 
       Aprimoramentos efetuados sobre a projeção de Gauss-Krüger em 1947 pelas forças armadas dos EUA deram origem ao sistema UTM (Universal Transversa de Mercator), à maneira como é definido atualmente e dando-lhe característica universal. Desde então sua utilização popularizou-se em todo o mundo, não apenas para fins militares como também para usos civis (INCRA, 2001)
ForestGis: Fusos e Zonas UTM sobre o Brasil

08 julho 2013

As 10 principais coisas para verificar antes de imprimir seu mapa !

Um mapa pode se tornar um excelente mapa apenas com uma simples checagem da lista abaixo. O site exprodat.com trás uma interessante matéria sobre isto com um check-list que pode ajudar muito a deixar mapas mais profissionais. Adaptamos a lista abaixo e adicionamos comentários que consideramos importantes. Clique aqui para ver um esquema dos principais pontos abaixo.

1-Barra de escala e texto de escala. Não pode faltar e tem de ser compatível e as divisões devem ser útil para o usuário final;

2-Informações geodésicas. Projeção, datum, esferóide, elipsóide e até EPSG quando possível devem ser adicionados;

3- Mapa de localização ou indicador de extensão. Muito importante para mostrar o contexto onde seu mapa está inserido, importante para quem não tem muita habilidade na leitura de um mapa;

4-Legenda e Simbologias. Não podem faltar. Procure agrupar pontos, linhas e polígonos de mesmo contexto e procure que nada visível falte na legenda;

5-Referências e Citações. Incluir copyright e informações de fonte dos dados é uma prática muito importante que conferem profissionalismo ao trabalho;

6-Grids e Quadrículas. Importante mas, para funcionar bem, preste atenção ao espaçamento entre linhas, use cruzes apenas em mapas de grandes escalas.
Uma dica é usar em folhas A4 uma linha de grid a cada 4 a 6 cm, A3 de 6 a 8cm e A0 uma a cada 14 a 16cm;


7-Tamanho da Fonte. Procure seguir estes numeros ou algo próximo:

Folha
Fonte e Copyright
Legenda, escala e dados geodésicos
Título
Seta Norte
Quadrícula
Grid UTM
A4
4
6
8
40
6
4
A3
6
8
10
80
8
6
A0
10
10
14
150
12
10


8-Correção ortográfica. O ArcGis não tem um corretor ortográfico, então verifique sempre e corrija qualquer erro ortográfico que encontrar;

9- Labels. Verifique se todos os labels estão visíveis e são necessários. Muitos labels podem dificultar a compreensão do mapa. utilize técnicas modernas de agrupamento e key numbering;

10-Orientação do mapa. Apesar de muitos cartógrafos acham que não é mais necessário incluir seta norte devido a grande maioria dos mapas terem orientação norte por default, é muito recomendável colocar. Também pode-se rotacionar o dataframe para melhor organizar os dados na folha e então a seta norte será fundamental para indicar esta rotação ao leitor do mapa.